Coluna: Konichiwa, bartender #5

Ela conquista meu coração quando remexe com a “Dança da Cordinha”, que a Juliana Brandão mandou avisar lá de BH que vai voltar com tudo ao lado da lambada.

E ela também é a mãe de Camille Vitória. Estou falando de Carla Perez, Carlinha, a musa dessa próxima edição da Balada Mixta.
Carla, pra quem não sabe, povoa meu imaginário pop muito mais do que a Cher e a Donna Summer juntas. Isso porque, além de ter assistido muito Gugu e Domingão do Faustão, ela é a protagonista de “Cinderela Baiana”, big hit da filmografia trash da minha vida… Tanto é que eu TENHO UMA CÓPIA EM VHS!
Seleção?

 

Já devo ter assistido essa pérola da cinematografia nacional umas 15 vezes. Você nunca assistiu? Vou dar alguns motivos pra você procurar o torrent da preciosidade imediatamente. Vai lá:

1. Carlinha faz o papel de… Carlinha!

2. Carlinha pequena consegue roubar as atenções e os trocados dos pivetes que ficam tampando buraco com terra nas estradas baianas… dançando axé, claro.
3. Lázaro Ramos e a pior interpretação da sua vida.
4. Lázaro Ramos E Alexandre Pires na mesma cena.
5. Lázaro Ramos E Alexandre Pires na mesma cena, e é uma cena de ação meio Trapalhões.

Enquanto umas vão pr’A Fazenda, outras tomam o
mundo de assalto sendo tema da Balada Mixta

6. Tem uma cena maravilhosa que Carlinha dá um beijo na bochecha de Alexandre – e ele desmaia!
7. Na cena de “transformação” de Carla em uma “grande estrela”, eles vão numa BUTIQUE teoricamente muito chique. Se não estou enganado, o local tem AZULEJO no chão, mais feio que o da minha casa!
8. O vilão é tipo um escândalo, acho que ele usa Neon falsificado.
9. Tem uma cena com orixás que ninguém entendeu porque foi incluída ali no meio. Acho que nem o diretor entendeu.
10. A baiana que vende acarajé, que é a melhor atriz do filme inteiro, fica espantada com o sucesso de sua barraquinha depois que Carlinha dá um show de requebrado ali do lado e diz: “Mas essa baianinha parece uma Cinderela. Será que é um anjo que veio iluminar a minha vida?” Er.
11. E o clássico dos clássicos: o fim. Cuidado, spoiler, não aperte o play se não quiser ver o final!!!
Jorge Wakabara gosta da Scheila Carvalho e não curte a Sheila Mello

6 Responses to “Coluna: Konichiwa, bartender #5”


  1. 1 Marcos November 17, 2009 at 1:13 pm

    HAHAHAHAHAHA Carlinha é TUDO!

    Preciso assistir “Cinderela Baiana” NOW! Haha

    Estarei nesta edição da Balada Mixta!😉

  2. 2 AD November 17, 2009 at 2:17 pm

    Jorge, eu tbém tenho cópia do VHS! Chorei com a análise! kkk Quinta ela tinha q aparecer. Bjo.

  3. 3 Kim Says November 18, 2009 at 12:24 pm

    Mas nada supera o Blog Da Carlinha, é algo “EMPREÇIONANTE!”

  4. 4 Brisa November 18, 2009 at 1:52 pm

    eu só posso te dizer 2 coisas jorge:
    1. Te amo pra vida
    2. pode pra sempre me chamar de baiana, ainda mais depois desta coluna
    bacons

  5. 5 Cecilia November 26, 2009 at 3:09 pm

    Depois de ver Carlinha dançando com sua boneca, voltei pra casa e baixei A DANÇA DA SENSUAL. Cheiro de amor no coração.

  6. 6 total shit djs December 3, 2009 at 4:01 pm

    Seguinte pessoal, nos temos o dvd de Cinderela Baina, raridade hem!!!


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s




Balada Mixta

Mensalmente no Estúdio Emme (Pedroso de Morais, 1036, Pinheiros). MUITA música POP! Mande seu nome para a lista amiga (R$ 25) e venha se jogar na pista com Katylene, Pedro Beck, Pomada e seus convidados: baladamixta@gmail.com

%d bloggers like this: